O TRIUNFO DA VONTADE

Este é o nome de um dos maiores filmes do nazismo. E reflete o nome que Hitler mais gostava por ser a expressão das teorias de Nietzsche. Frederico Nietzsche, nasceu na cidade de Röecken na antiga Alemanha oriental (Alemanha comunista) onde foi enterrado após morrer louco ao lado do túmulo do pai que ele adorava (“o amor nunca morre”, mandou colocar na lápida do pai). Este filósofo foi adotado pelo nazismo como sendo um gênio (da envergadura do compositor Wagner). Também poderia ter sido um ídolo dos marxistas de Rússia mas como era do nazismo, eles não o adoptaram. Nietzsche, afirmava que a vida tem que ser sofrida para obter a felicidade posterior. Algo parecido a teoria do monge cristão Rasputin na Rússia Tzarista: “para obter o perdão dos pecados, primeiro há que pecar” (por isso ele praticava sexo com todas as que aceitavam ou apareciam na frente dele). Segundo Nietsche, o sofrimento e o fracasso devem ser bons para quem busca a Felicidade. Desta forma, a felicidade poderá ser totalmente apreciada. Nietzsche, era filho de um pastor luterano e foi criado dentro do espírito religioso cristão. Mas quando jovem, contraiu sífilis (num bordel de segunda categoria) que lhe afetou a saúde mental em forma progressiva até causar a morte dele (os ingleses ainda não tinham descoberto a Penicilina). No tempo de vida que a doença lhe permitiu, escreveu vários livros de grande comoção (até agora). Seu refúgio preferido para escrever eram a Suíça com suas grandes montanhas e ar puro. Para isso alugava um quarto por grandes períodos, na casa de um fazendeiro. Gostava de escalar as montanhas – com grande sacrifício – e dizia que quando chegava ao topo, recebia como prêmio a bela vista que de ali se observava, inclusive da vila em que ele morava: Sils Maria. Seus maiores livros foram escritos na Suíça, nesta vila. Tinha uma vida amorosa repleta de fracassos, provavelmente por causa de seu grande bigode que parecia uma “morsa” e que assustava as mulheres. Dizia coisas estranhas, como: “a Filosofia certa é ficar no topo das montanhas”. (Os estudiosos de hoje devem interpretar diferentemente de como os nazistas o interpretavam). Invejava os homens casados. Dizia que eles tinham “um ninho” e ele uma “caverna”. Morreu totalmente louco num sanatório aos 56 anos, sendo cuidado pela mãe idosa. Disse muitas frases de grande divulgação, tais como: “o exito é fruto do esforço e nada mais”. “Sem dor não se consegue nada de valor” (expressão estranha; e quem acerta na loteria?). E outras: “Sempre se pode tirar vantagens do fracasso. Para isto, basta saber lidar com o fracasso”. “Podemos de algo feio, criar algo bonito”. “As raízes são feias, más a flor é bonita, isto é una boa alegoria da natureza” (?). “A inveja pode nos levar a superação, a ser melhores que o outro”. “O Pânico, pode ser benéfico para obter posteriormente uma paz de espírito”. “Sem dor não há ganho ou prêmio”. “Uma das piores formas de afundar as mágoas é o álcool. Bastam dois copos para ficar anestesiado ipso facto”. Como pode se deduz, detestava álcool (Hitler o amava por isto). Gostava somente de água. Com respeito a religião, falou duras coisas delas, como sendo o ópio do povo (palavras de Lenin e Stalin: coincidência?). Duvidava que as igrejas (cristãs) podiam resolver os problemas do homem definitivamente. Não somente era contra o álcool senão que também era contra o cristianismo. Pois dizia que a curto prazo os dois parecem resolver o problema, mas a longo prazo nenhum deles resolvia nada. “São apenas anestésicos, não resolvem o problema em forma definitiva”. Do Novo Testamento, declarava que havia um homem somente que lhe parecia correto: Pôncio Pilatos, porque era um homem BOM (?). “Ser cristão é algo ruim”. “Os cristãos são hipócritas e mentirosos, pois fingem ser bons quando na verdade são maus e assim deveriam mostra-se”. O certificado de óbito de Frederico Nietzsche, diz: “ESTE FOI UM CONHECIDO ANTICRISTO”. “As pessoas que buscam na religião a solução dos seus problemas, são pessoas mesquinhas”. “CONSIDERAR O SOFRIMENTO COMO ALGO RUIM É O MÁXIMO DE IDIOTICE” — Que o digam os nazistas e os marxistas… (Esclarecimento: não compartimos totalmente as ideias do Sr. Nietzsche. Instituto Internacional Filosófico DEMOKRATIS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *