SERVIDÃO VOLUNTÁRIA…

Com este nome, no entender do Dr. Ricardo Krause , Psiquiatra e Filósofo Brasileiro, explica-se o comportamento dos seguidores e opositores de um ditador ou de um líder. O Dr. Krause disse que há dois tipos de “servidão”. A “servidão voluntaria” e a “servidão involuntária” (acreditamos que existe uma terceira: “a servidão imposta”). Com um aforismo, disse tudo: “SEM LIBERDADE NÃO HÁ PENSAMENTO”. Por aqui se vê que não havia pensamento na URSS de Stalin, na Alemanha de Hitler, como não há pensamento na Cuba comunista dos Casto-comunistas, como não há pensamento em nenhuma ditadura. A perda de liberdade do “rebanho” dos adeptos de um ditador, é uma “perda voluntaria” que conduz a uma “servidão voluntaria”. Portanto, pode-se deduzir numa perda de Liberdade voluntaria. Muitas das vezes existe a tendência de fazer de um ditador, um “líder”. (Fidel Castro, Perón, Maduro, Hitler, Stalin, Mussolini, Allende, etc.). Se o líder é carismático, aumentam as chances de “endossá-lo” (transformá-lo ou considerá-lo quase que um Deus). Não confundir isto com “o culto à personalidade” dos comunistas que tem outro origem: a imposição pela força. Os ditadores quando apoiados por uma ideologia (por muito perversa que seja), mais são considerados “semideuses”. Os ditadores e suas ideologias iniciam o proselitismo do culto à personalidade desde as crianças em forma obrigatória (Cuba, Coreia do Norte, etc.). Está comprovado que desde os 4 anos de idade o ser humano pode ser aliciado por una ideologia perversa que pode ser apresentada como a “melhor do mundo”. Aqui nos lembramos da teoria e frase de Vichislav Molotov que foi secretário de Lenin e depois de Stalin na URSS: O RUIM SE É NECESARIO, É JUSTIFICÁVEL (nem Maquiavel seria tão “maquiavélico”). No não esqueçamos que Molotov assinou milhares (mais de um MILHAR, sendo que cada lista tinha centenas de nomes) de execuções de morte por fuzilamento (as vezes somente com uma bala atrás da cabeça só, como era feito no presidio de Lubianka em Moscou), de opositores (homens, mulheres e crianças de até 14 anos de idade) que nem conhecia e nem sabia qual era o motivo da sentença de morte (somente porque Stalin o pedia). Neste caso as ditaduras fazem a apresentação da seguinte forma: tudo o que é bom é nosso e que é ruim é dos outros, dos nossos inimigos (se algo ruim é nosso, deve calar a boca). O homem será Livre na medida que sua força de Liberdade de pensamento for mais forte dentro que as de fora, as impostas: as oficiais”. Desde o momento que as forças internas vençam as externas, teremos a possibilidade de PENSAR por nós mesmos. Não nos esqueçamos do “aforismo” de Carlos Marx : “tudo o que é sólido, desmancha no ar”. Por isso não devemos ter nenhuma ilusão do Marxismo, que nos trará algo bom e sólido. O filósofo Sigmund Baumann, disse que “pensar na Liberdade dentro de uma ditadura, faz mal. É melhor não pensar”. (Talvez tenha razão, é repugnante tal conselho más é prático e verdadeiro). Outros pensamentos deste filósofo (Krause) são mais da Psiquiatria do que da Filosofia política. Tal qual: no capitalismo liberal (capitalismo selvagem) os médicos mais tratam a quem paga a consulta do que aqueles que realmente precisam. Que os remédios para a bipolaridade, assim quanto os remédios para a esquizofrenia só servem dois anos sem efeitos colaterais. O 80% dos casos de violência feminina acontecem dentro do lar (en Brasil). O vicio nos jogos de computador e nos telefones celulares, é isso, apenas UM VICIO (hoje constitui uma doença reconhecida como tal pela ONU). Será que por isso os telefones celulares e os computadores são escassos nos países comunistas? …. (Sabemos que o Imperialismo Marxista pretende metermos a todos numa jaula de uma ditadura comunista. Os Trabalhadores não marxistas Socialistas Democráticos temos ODIO e NOJO das ditaduras).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *