FALANDO FRANCAMENTE

O problema do financiamento das aposentadorias dos Trabalhadores, realmente é algo complicado (muito complicado). Eu mesmo sou testemunha disso. Aposentei-me com 2.000 dólares por mês e hoje recebo apenas o equivalente a 500 por mês.  Isto tudo porque minha aposentadoria é em moeda Brasileira (Real R$) e não uma moeda mais estável, como dólar ou Euro, ou ainda Salário Mínimo Brasileiro (SMB). O novo Governo do Brasil está pensando em mudar o sistema atual de aposentadoria, que é sustentado pelo Governo por um sistema sustentado pelos próprios interessados, como em Chile. Pinochet fez isso facilmente porque era um DITADOR e não aceitava opinião dos outros. Quando os valores começaram a ser pagos, viu-se que os militares, pelo sistema antigo, recebiam quase 100% do último salário e os Trabalhadores do novo sistema a quarta parte (apenas 25%, hoje 20%). Por que isso? Muito simples: por que os militares são bancados pelo Governo e o Estado e os Trabalhadores se bancariam eles mesmos sem interferência do Estado nem do Governo. O sistema de “auto-sustentación” permite ao Trabalhador médio acumular de 100 a 140 Salários Mínimos (SM) em toda sua vida laboral (40 anos aproximadamente), como fundo de pensão (aposentadoria). Isso retirando 10% da sua renda todos os meses durante 40 anos. Isso equivale a um Trabalhador que começa com 1 SM e termina, após 40 anos, com 4 SM por mês. Se o fundo dele tiver 120 SM (em média), o fundo lhe pagará mensalmente 0,8% ao mês. Ou seja 0,96 SM por mês de aposentadoria. Em outras palavras: termina com um salário de 4 SM no emprego e começa com 0,96 SM por mês de aposentadoria. Como se vê, esse sistema considera que ainda assim o Governo ou o Estado deveriam aportar algo para reduzir o rombo negativo do Trabalhador, que passaria a ganhar apenas um quarto do seu salário. Os Trabalhadores NÃO marxistas Socialistas Democráticos sabemos que o Imperialismo Marxista pretende nos meter numa Ditadura Comunista, donde não teremos opinião. Temos ÓDIO e NOJO das DITADURAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *