O PROBLEMA DO DESEMPREGO

Somos bombardeados diariamente pela imprensa que diz que para acabar com o desemprego devemos fazer cursos de aperfeiçoamento. Cursos técnicos e cursos superiores. Pelo menos isso é o que se supõe. Tentam nos dizer que com cursos técnicos, cursos superiores ou simplesmente cursos de capacitação, teremos mais chance de obter um emprego. Isso é um ENGANO TOTAL. Um profissional desempregado com 4 diplomas universitários e falando 3 línguas, por que está desempregado???? A resposta é bem simples e bem trágica: porque na área dele não há vagas. Não há vagas. De que adianta então ter 4 diplomas, experiência, vontade, falar línguas??? Se bem é certo que muito é bom ter instrução, cultura, vontade, disposição para trabalhar, mas nada disso é útil para uma vaga no trabalho quando não há vaga. Que adianta triplicar a quantidade dos profissionais que temos em América Latina se não há vagas para eles? Vejam os “escravos da saúde” cubanos. São três vezes mais que a quantia que Cuba precisa (trabalham por US$ 15.00 ao mês). Então os sobrantes são usados como escravos pelo governo comunista para ganhar dinheiro com eles. Os comunistas dizem que são heróis. Na verdade os heróis são os MÉDICOS SEM FRONTEIRAS, VOLUNTÁRIOS E SEM SALÁRIO. Os médicos cubanos são escravos igual como o faziam os donos de fazendas cafeeiras do Brasil. Usavam os escravos para cultivar e coletar o café e ganhar dinheiro com eles. Muitos deles recebiam o mesmo que os médicos escravos de Cuba: 25% da venda. Neste caso, o patrão nada lhes dava, pois tirava todo o deles por conceito de alimentação, moradia (senzala) e roupa. Tanto os cubanos como os escravos Brasileiros não tinham nenhuma liberdade. Muitos dizem que os escravos comiam melhor que os patrões (feijoada e pinga). Os cubanos, fora de Cuba, comem bifes que em Cuba somente conhecem por fotos. De nada adianta combater o desemprego, se não criarmos vagas de emprego para todos. Esta é uma condição mais que suficiente. Sermos universitários, técnicos ou instruídos, é algo desejável. Na Europa (Alemanha), todos foram superinstruídos até tal ponto que chegou um momento que havia mais vagas que os trabalhadores disponíveis sem instrução. Foram preenchidas por trabalhadores de outros países. Para América Latina faltam 25 milhões de vagas. Só no Brasil faltam 13 milhões. De que adianta se os 13 milhões forem médicos (ou outros profissionais) se as vagas são para apenas 1 milhão (e de aqui a um ano no melhor dos casos)?? Continuaremos com 12 milhões de desempregados e muito bem capacitados. O problema é muito mais sério do que se pensa ou se visualiza. Outros dizem que trazendo capital de fora se resolve o problema. Em 20 anos? Estará você aqui? Talvez. Outros dizem que dando qualquer trabalho e pagando qualquer coisa (Cuba, médicos recebem US$ 15,00 ao mês) também se resolve. E você, leitor, o que opina???

“As coisas do REI permanecem, as coisas do povo desaparecem” (Luís de Camões, há 500 anos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *