PROPRIEDADE E IMPOSTOS

O capítulo número 4 do Manifesto Socialista Democrático trata especificamente o que nós trabalhadores achamos do tema. Acreditamos que todos os trabalhadores e todos os cidadãos de uma nação têm o direito de ter uma propriedade. O que é ter uma propriedade O que entendemos por uma propriedade e quais os impostos que devemos pagar e quanto a quem? Ter una vivenda, ter uma casa para morar é una aspiração de todo ser humano. Principalmente os trabalhadores desejam ter uma vivenda, uma moradia higiênica para eles e sua família. Essa moradia, alguns trabalhadores gostariam que fosse própria e outros trabalhadores gostaríamos que fosse alugada. Alugada? De quem? Logicamente do Estado, cujo preço de aluguel seria “social” e proporcional a seu salário. Nunca mais da metade do valor mensal da moradia para compra. (Exemplo: USA). Obviamente que a nós, trabalhadores, gostaríamos de ter a Liberdade de possuir um meio de produção (de um negócio) para melhorar nossa vida conforme nossa dedicação. Sem explorar ninguém. Pagando aos colaboradores o que a lei manda. Os impostos sobre os produtos são meio injustos. Dizemos meio, pois são totalmente injustos quando se trata de produtos básicos, como pão, leite e remédios, pois o imposto é pago pelo rico e pelo pobre. Para o rico, não faz diferença alguma, mas para o pobre … A outra metade não é injusta, pois que o rico pague um grande imposto sobre o caviar e o whisky ao pobre não lhe afeta. Logo os impostos deviam de ser divididos em dois (ou mais tipos ou espécies), os “necessários ou básicos” (imposto muito baixo, quase apenas estatístico) e os produtos “supérfluos ou não básicos” (cujo imposto devia ser alto). O imposto mais justo é o IMPOSTO SOBRE A RENDA. Baseado na quantia de salários mínimos percebidos. O mínimo deste imposto seria de 1% para quem ganha 1 SM e de 50% para quem ganha 50 ou mais salários mínimos.  Tudo isso é JUSTIÇA SOCIAL dentro de uma Democracia, evitando a ditadura. Os trabalhadores NÃO marxistas SOCIALISTAS DEMOCRÁTICOS somos a favor da LIBERDADE e contra a OPRESSÃO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *