KERENSKY

Quem foi Kerensky? Muitos o acusam de ser o causador de não ter impedido o golpe de Estado dado pelos comunistas liderados por Lenin na Rússia, principalmente os reacionários da direita, é que pensam assim. Nada mais falso e inverídico, pois a verdade é justamente o contrário. Alexander Kerensky nasceu na Rússia e foi desde muito jovem – quando era estudante de direito – ativo militante do Movimento Socialista Cristão. Sentia-se muito afetado pelas injustiças sociais da Rússia, achava que nada poderia ser mudado se o Czar permanecesse no poder. Como advogado, foi tenaz defensor dos revolucionários perseguidos pela polícia política do governo. Queria para Rússia uma Republica Democrática sem injustiças, em substituição da Monarquia Czarista. Juntou-se aos Socialistas Revolucionários com o objetivo de derrubar do Czar e executar as “reformas sociais”, tudo com não violência. Editou o jornal político revolucionário “Burestnik” e por isso teve que exilar-se durante alguns anos, pois a polícia política do Czar o colocou “na lista”. Após o exilio, foi eleito para a Duma (Parlamento Russo) pelo Partido TOIL. O Toil, era um pequeno partido de orientação Social Democrata, muito moderado (similar ao PADENA do Chile). Na Duma, juntou-se aos Social Democratas, aos Socialistas Revolucionários, aos Socialistas Cristãos e outros e exigiu a abdicação voluntaria (?) do Czar. A Rússia já estava em guerra com a Alemanha e ninguém ousava falar contra ela. A ideia era manter a guerra junto com os aliados (Inglaterra e França principalmente). O Czar deixou o governo e criou-se um governo provisório, cujo primeiro ministro foi eleito um advogado socialista menchevique de nome Georgy Lvov que elegeu Kerensky como Ministro da Justiça. O grande erro de Lvov foi abrir a Duma aos soviets de Petrogrado, sabendo que estavam saturados de comunistas de Lenin (ninguém conhecia a perversidade dos comunistas). Imediatamente estes começaram a conspirar para preparar um golpe de Estado. Lvov renunciou por incapacidade de formar uma maioria na Duma e foi eleito em sua substituição Kerensky, tornando-se assim o segundo Primeiro Ministro depois da abdicação do Czar. Kerensky iniciou imediatamente um processo de socialização democratica da Russia. Todas as escolas, os liceus e as Universidades do Estado e do governo, passaram a ser totalmente grátis. O mesmo aconteceu com os hospitais públicos. Aboliou a pena de morte (que havia sido aplicada anos antes a um irmão de Lenin). Assinou leis que garantiam a liberdade de pensamento e de expressão. Garantiu a Liberdade de imprensa total e geral. Mandou soltar todos os presos políticos que ainda ficavam. Permitiu a volta de Lenin a Rússia (ninguém conhecia a perversidade dele) e de todos os exilados políticos antes perseguidos pelo Tzar. Criou grupos de estudos para a implantação de uma “justa” DEMOCRACIA na Rússia com leis que garantiam as liberdades básicas dos Russos. Projetou uma Assembleia Nacional da Grande Rússia e demais nações ligadas a ela, que iria elaborar uma Constituição democrática e federalista. Uma Assembleia Constituinte. Fez e aprovou leis que garantiam as liberdades de todos e punia os racismos (odiosos e irracionais), os sectarismos, as perseguições políticas, étnicas e religiosas. Criou grupos de trabalho para melhorar as péssimas condições dos camponeses e dos soldados na frente de batalha. Estabeleceu que as empresas de armamentos tinham que ter um fim militar e as demais um fim social. O lucro devia ser uma consequência não um fim. Enquanto Kerensky lutava para manter a guerra contra os alemães junto com os aliados (principalmente Ingleses e Franceses) e fazer reformas sócias para seu povo, era “apunhalado” pelas costas pelos comunistas de Lenin. Quando Kerensky voltou do front bélico e começou a combater contra os comunistas, já era tarde demais. Era muito para ele, combater na frente de guerra os alemães e pelas costas os comunistas, tudo simultaneamente. Os comunistas se tomaram o poder por assalto e colocaram Lenin como seu chefe. Lenin imediatamente instalou uma ditadura total, suprimindo todas as liberdades das pessoas,  a propriedade individual (que passou a ser um crime), a liberdade de imprensa, etc. e mandou fazer a paz com Alemanha, dizendo: “nem que tenhamos que entregar a metade da Rússia. Depois a recuperaremos” (Trotsky achou que estava louco, mas aceitou). Kerensky conseguiu fugir da Rússia e das mãos dos comunistas. Seus adeptos foram capturados e colocados na cadeia. Exterminados. COM O QUE SE PASSOU COM KERENSKY, OS TRABALHADORES NÃO MARXISTAS SOCIALISTAS DEMOCRÁTICOS APRENDEMOS O SEGUINTE: NO SE PODE CONFIAR ABSOLUTAMENTE NADA, NEM UM MILÍMETRO, NEM UM SEGUNDO NOS COMUNISTAS. NUNCA JAMAIS. OS COMUNISTAS NÃO MERECEM A DEMOCRACIA (ALIÁS, SOMENTE QUEREM DESTRUÍ-LA).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *