O DESEMPREGO

Voltamos ao assunto do desemprego que é resolvido de qualquer forma nos países comunistas, como varrer a rua duas vezes por dia ou ter três empregados viajando nos ônibus, ou anotando o nível das refresqueiras nas lanchonetes ou verificando os estoques de café diariamente nas cafeterias por dezenas de fiscais, ou ter verdadeiros exércitos de espias e agentes infiltrados na sociedade passando informações à polícia política, etc. Esta forma ridícula e primitiva de enfrentar o desemprego é típica dos governos totalitários ditatoriais. Pagar mal por fazer algo inútil não é uma solução inteligente (más, receber algo é melhor que não receber nada). Nas Democracias em que impera o sistema capitalista se prefere o sistema de seguro financeiro contra esta perniciosa situação (seguro-desemprego). Muitas das vezes o valor do seguro, mesmo sendo melhor que o salário de Cuba ou Venezuela, não é permanente. O que traz o problema do desemprego de volta para o trabalhador. Os governos mais preocupados com a situação criam locais de cadastramento e procura de empregos para os desempregados. Esta é uma solução paliativa para parte dos trabalhadores sem emprego. Dizem que as chances de encontrar um emprego são proporcionais ao grau de escolaridade. Isto NÃO é verdade. Cuba está cheia de profissionais dirigindo taxis, vendendo abacates, atendendo em cafeterias, lendo o jornal obrigatório GRAMMA nos lugares de trabalho para os trabalhadores, médicos de meia jornada trabalhando como enfermeiros, dirigindo ambulâncias, sendo escriturários, etc. Todos mal pagos pelo Estado. Os governos não dão a importância que tem ao problema, talvez por que não tenham a solução definitiva. Outras ditaduras diferentes da ditadura comunista, enviam os desempregados para as FFAA (Nazismo). Isto foi tão exagerado que faltou mão de obra para a indústria e tiveram que fazer uso do trabalho escravo dos países conquistados pela guerra. Falta uma política séria de abordagem e solução séria e definitiva do desemprego em todo lugar. Os trabalhadores não gostam de ficar parados, trabalhar sem receber e receber sem trabalhar. Lutamos pela DEMOCRACIA e temos ÓDIO e NOJO das DITADURAS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *