AMÉRICA LATINA É UMA TRAGÉDIA?

Muitas pessoas pensam que América Latina se está transformando em uma tragédia continental com o avanço do marxismo por todos os lados. A vitória nas eleições democráticas (exceto na Venezuela) nos países da América Latina de candidatos confessadamente marxistas prova que assim o é. Porém devemos nos perguntar de forma muito honesta se essas vitórias se devem às “maravilhosas soluções” propostas pelo marxismo ou se são simplesmente reações do povo contra a falta de soluções aos problemas que enfrentamos nas Democracias. Cremos que uma pessoa, um trabalhador, que tenha um bom trabalho estável e com um salário digno nunca passará fome em uma Democracia (não se pode afirmar o mesmo quando é uma ditadura comunista ou socialista marxista). Segundo essa crença ou pensamento, basta, então, dar emprego a todos para solucionar o problema da fome. Muitos dirão que isso não é suficiente para neutralizar os marxistas-comunistas. Creio que eles tenham razão, esta perniciosa corrente política de marxistas-comunistas, juntamente com seus aliados e todos os que constituem à frente dos bolcheviques antidemocráticos, se alimentam mais por inveja aos que têm mais do que por soluções racionais. A única solução apresentada pelos bolcheviques é a de eliminar aos ricos. Deixar a todos os cidadãos pobres, como ratos sem queijo. As empresas em mãos do Estado dando bom trabalho bem remunerado aos camaradas e parentes, deixando de lado coisas como eficiência e alto rendimento. O prejuízo que normalmente aparece é financiado com impostos aos trabalhadores e consumidores. Ou seja, os trabalhadores “pagam o pato”. Os comunistas já puseram em prática esta solução em Cuba, eliminaram a todos os ricos, transformaram em pobres todos os habitantes da ilha. A tragédia já dura mais de 60 anos e não se vê uma solução a curto prazo. Entretanto, os cidadãos têm que suportar essa tirania.

Não temos nenhuma dúvida que a Democracia pode – e tem condições para isso – solucionar problemas tão difíceis, como eliminar o desemprego, resolver o déficit habitacional, oferecer saúde, educação e instrução gratuitas a quem necessite da ajuda do Estado, sem eliminar a colaboração do sistema privado nem eliminar as empresas privadas, que são uma excelente ajuda ao desenvolvimento de qualquer país.

Por outro lado, não devemos esquecer de duas coisas importantes: a primeira é que tudo o que seja necessário mudar e fazer para resolver um problema da sociedade é possível na Democracia, sem necessidade de uma ditadura; a segunda é que haja continuidade de forma ininterrupta, com a máxima energia, lutando contra o marxismo-comunismo, que ameaça não só a nós todos como pessoas, mas também às nossas famílias, nossos países e a sociedade.

Muitos de nós somos Democratas até a medula e nos recusamos lutar contra o comunismo fazendo pacto com a direita fascista (aceitamos a direita Democrática, porém não a extremista); da mesma forma, recusamos lutar contra a direita extremista aliando-nos aos comunistas. Ambos nos causam ASCO por ser antidemocráticos. Por último, não devemos nos esquecer que ser Democrata é ser ANTICOMUNISTA e ANTIFASCISTA por completo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.